Longa vida ao Twitter - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

sexta-feira, 22 de março de 2013

Longa vida ao Twitter

O Twitter comemorou sete anos nesta quinta-feira, dia 21, com a publicação de um vídeo em que mostra aqueles que considera os momentos mais importantes do site desde sua criação em 2006.



Entrei no Twitter assim que descobri o site, mas comecei a usar efetivamente a partir de abril de 2007. Atualmente, tenho usado menos do que gostaria, mas considero o Twitter a mídia social mais importante, mais relevante e mais útil não só do ponto de vista profissional - como jornalista - mas também do ponto de vista do cidadão tanto na publicação de conteúdo urgente, imediato e tempo real quanto na busca de soluções para problemas do mais variados tipos (eu mesmo já tive problemas com a Net resolvidos a partir de tweets).

Tenho dito para meus colegas em conversas e nas palestras e workshops sobre uso das redes sociais no jornalismo que, na minha opinião, será sempre Twitter + 1. Ou seja, em se tratando de redes sociais, o Twitter estará sempre aí, em uso frequente, em alta, acompanhado por uma segunda rede em destaque - já foi o Orkut, hoje é o Facebook e amanhã será...(três pontinhos).

Sempre que falo sobre isso fico pensando que quem ouve deve me achar maluco ou totalmente desatualizado. Mas, pessoal, o argumento é simples. Depois que os usuários, lá no início do site, deram um uso para o Twitter, diferente do que seus fundadores imaginaram (serviço via sms), o site passou por poucas modificações no seu conceito. Atualizou sua pergunta (do famigerado O que está fazendo? para O que está acontecendo? e assim por diante), mas nunca perdeu sua essência, sua característica mais marcante que é o imediatismo associada à interação direta e igualmente imediata entre seus usuários.

Pensem nas tantas mudanças que Orkut e Facebook sofreram desde que surgiram. O Twitter não elimina o uso de outras redes. Não dá para desperdiçar o poder do compartilhamento do Facebook. Mas é outra coisa, outra rotina, outra dinâmica, outro tipo de conteúdo, muito mais baseado em imagem do que em texto. Aliás, você lê o texto que acompanha as imagens antes de compartilhar o post no Facebook?

Seguimos assim: piando e praticando a objetividade em 140 caracteres por muitos e muitos anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário