Sobre jornalismo hiperlocal - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Sobre jornalismo hiperlocal

A partir do estudo State of the News Media 2012, o jornalista Carlos Castilho voltou a destacar em seu blog, o Código Aberto, o jornalismo hiperlocal como uma das grandes tendências do jornalismo na atualidade. No post Jornalismo hiperlocal: luz no fim do túnel, Castilho escreve que “a preocupação dos norte-americanos em explorar as potencialidades do jornalismo praticado em escala local e hiperlocal (ruas, bairros ou pequenas cidades) contrasta com a nossa despreocupação com um tema, que pode não interessar às empresas jornalísticas, mas tem implicações diretas e palpáveis na forma como os brasileiros têm acesso à informações que afetam diretamente o seu dia a dia em casa, no transporte, no trabalho e na diversão”.

“Hoje já não há mais dúvidas de que a cobertura jornalística local e hiperlocal só é possível com a participação do público na produção de notícias. Mas a experiência também mostrou que não adianta centenas de pessoas começarem a mandar fotos ou notícias para um jornal porque ele não terá condições para processar todo esse material”, escreve o jornalista. “A alternativa óbvia são sites de noticias produzidos por jornalistas independentes, que funcionam como intermediários entre o cidadão e a imprensa. Acontece que essa modalidade de jornalismo enfrenta o dilema da sobrevivência financeira; até agora, o índice de mortalidade das iniciativas era desencorajador”.

Como alternativa, diz Castilho que a principal constatação a partir do que foi levantado pelo State of the News Media 2012 é a de que são viáveis parcerias entre os independentes e as empresas, mediante a troca de conteúdo por audiência, no caso de microempreendedores, ou por experiência, no caso de sites noticiosos locais patrocinados por escolas de jornalismo para formar profissionais. E que este seria um caminho viável também para os chamados microempreendedores que atuam ou desejam atuar no nicho do hiperlocal.

Leia o post completo no Código Aberto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário