É uma piada - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

domingo, 11 de março de 2012

É uma piada

Se alguém ainda tem dúvida sobre a seriedade do trabalho do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), leia o comunicado abaixo publicado pela entidade em seu site a respeito da notificação de cobrança enviada para blogueiros que embedaram vídeos de músicas do YouTube em suas páginas. Destaque para a pérola “erro de interpretação operacional” (trechos destacados pelo blogueiro).

Em tempo: não sou contra a cobrança de direitos autorais. Muito pelo contrário. Mas que há abusos na forma de atuação do Ecad, isso há. É o caso, por exemplo, da cobrança de salão de beleza, restaurante e outros estabelecimentos só porque a TV ou o rádio estão ligados (um embedar analógico...). Como brincamos no Twitter outro dia, cuidado ao assoviar uma canção na rua: um fiscal do Ecad pode estar ao lado pronto para te notificar.

Leia o comunicado do Ecad:

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição – Ecad, tendo em vista a manifestação do Google Brasil/Youtube, vem a público esclarecer que:

1 - O Ecad nunca teve a intenção de cercear a liberdade na internet, reconhecidamente um espaço voltado à informação, à difusão de músicas e demais obras criativas e à propagação de ideias. A instituição também não possui estratégia de cobrança de direitos autorais voltada a vídeos embedados. Explica que, desde 29 de fevereiro, as cobranças de webcasting estavam sendo reavaliadas e que o caso noticiado nos últimos dias ocorreu antes disso. Mesmo assim, decorreu de um erro de interpretação operacional, que representa fato isolado no universo do segmento. Em 2011, foram distribuídos 2,6 milhões de reais do segmento de mídias digitais beneficiando 21.156 compositores, músicos, artistas, produtores de fonogramas e editoras musicais.

2 - Há cerca de dois anos, Ecad e Google mantém firmada uma carta de intenções que norteia o relacionamento entre as organizações. No documento está definido que é possível o Ecad fazer a cobrança das músicas provenientes de vídeos embedados desde que haja notificação prévia ao Google/Youtube. Como o Ecad não enviou tal notificação, fica claro que este não é o objetivo do escritório. Se fosse, a necessária notificação prevista na carta de intenções teria sido providenciada.

3 - Reafirmamos que a principal diretriz do Ecad é o reconhecimento e a difusão da música brasileira através da representação dos milhares de titulares de direitos associados às nove associações de gestão coletiva musical que representamos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário