Sobre Galvão no UFC - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

sábado, 12 de novembro de 2011

Sobre Galvão no UFC

A escalação de Galvão Bueno para narrar a primeira luta do UFC na Globo rendeu e rende muitas piadas, mas o buraco é mais embaixo. Afinal, com fiascos nas últimas Copas e na Fórmula 1, faz tempo que Galvão não tem sua imagem vinculada a uma grande conquista do esporte brasileiro. Por isso, faz sentido levá-lo para o esporte em que os brasileiros têm performances destacadas, são competitivos e entram nas lutas sempre com grandes chances de vitória.

A partir da decisão de tirar Galvão da transmissão do GP de Fórmula 1 deste domingo para colocá-lo no UFC, o jornalista Flávio Gomes escreve um post que aprofunda o súbito interesse da Globo pelas lutas de MMA. Escreve o Flávio, também comentarista dos canais ESPN:
Isso (Galvão no UFC e não na F1) tem enorme significado. Considerações sobre Galvão à parte — há os que gostam, os que não gostam, os que não suportam, os que amam, isso não importa —, a escalação do principal narrador da maior emissora de TV do país para fazer uma luta em vez de uma corrida significa que a F-1 morreu.

Isso mesmo, camaradas: morreu. A Globo é pautada pela babaquice geral das cabeças que se acham pensantes em sua direção. Algum gênio, em algum dia no passado, decretou que esporte bom é esporte que tem brasileiro ganhando. Graças a tal dogma estabelecido, imutável, pétreo, ganhamos, nas manhãs de domingo, campeonatos mundiais de futebol de areia, torneios interplanetários de peteca na praia, desafios internacionais de futebol de salão, competições de natação em rios amazônicos e provas de pedestrianismo em Belo Horizonte criados e elaborados com um único objetivo: para que atletas e/ou times brasileiros vençam, para que a vinhetinha Brasil-sil-sil possa ser executada à exaustão, para que a patuleia, por volta do meio-dia, se sinta a mais vitoriosa do planeta e possa mandar servir o espaguete e abrir a Brahma. (...)

Galvão vai narrar a luta de UFC hoje (ou luta de MMA? Afinal, qual é o esporte, UFC ou MMA? Puta bosta, isso), fará elogios rasgados à modalidade, ao seu crescimento, à sua popularidade, ao dinheiro que movimenta, ao profissionalismo, à idolatria pelos lutadores, aos incríveis brasileiros que dominam o octógono e nem podem andar na rua sem dar autógrafos, que são celebridades, que são demais, Brasil-sil-sil, salve a família Gracie, e a luta vai estar nas TVs dos bares e dos lares, e os melhores momentos estarão no “Fantástico” e no “Jornal Nacional”, além de todos os programas de esportes da emissora que falam dessa luta há dias, e vamos virar a pátria do MMA e do UFC, como se já não houvesse violência bastante por aí para dispensar porradas na cara, dentes quebrados, sangue jorrando, gente urrando em horário nobre, para milhões, milhões de telespectadores retardados que acham legal tudo que a Globo coloca no ar.
Leia o post completo de Flávio Gomes.

Um comentário:

  1. Alexandre, não entenda mal, mas voce deve concordar comigo: Não devemos depreciar e falar de assuntos que não compreendemos. Neste texto, percebe-se a falta total de conhecimento sobre MMA (eu não luto, mas algumas vezes acompanho). Seria fácil para mim dizer que formula 1 incentiva rachas no transito, que futebol são 22 caras tentando enfiar uma bola num quadrado... etc...

    De qualquer forma, a maioria dos texto do site são muito bons e corentes, por isso sempre acompanho, abraço,

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário