O jornalista que não se encontra - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O jornalista que não se encontra

O mercado para jornalistas é bastante restrito em Florianópolis. São poucas as empresas de comunicação e a oferta de vagas não acompanhou o aumento na oferta de cursos de jornalista na região nos últimos anos. E para completar o cenário, há uma demanda que começa a surgir e que está sendo difícil de suprir: o jornalista que sabe usar mídias sociais como forma de enriquecer coberturas, projetos especiais e conteúdo de sites e blogs informativos ou institucionais. Não basta ter conta no Twitter ou no Facebook. Xinga muito no Twitter, mas não sabe criar uma lista, gerar um módulo e colar num post? Sabe cutucar no Facebook, mas não sabe criar uma fanpage e dar uma utilidade para ela? Tem que conhecer profundamente todas as possibilidades das mídias sociais e saber como aplicá-las profissionalmente.

Escrevo isso porque, pela segunda vez neste ano, estou ajudando amigos de uma empresa aqui de Florianópolis a encontrar um jornalista com estas características. E é difícil. Ou falta experiência como jornalista ou falta vivência e conhecimento em mídias sociais. Não há muito mistério nisso. Não há mudança nas características do jornalista nem na forma de praticar o jornalismo. É apenas um novo momento da profissão que exige um pouco mais de qualificação e de interesse do colega em adicionar novas “tags” à sua rotina.

Como este tem sido meu trabalho nos últimos anos - produção e gestão de conteúdo com uso de ferramentas de mídias sociais - a ajuda para encontrar profissionais com o mesmo perfil tem sido quase que uma cruzada para abrir mercado. Não me importo em estimular a concorrência. Muito pelo contrário. Quanto mais colegas atuando na área - com qualidade -, melhor. Mais visibilidade, mais trabalhos, mais oportunidades.

Para os colegas jornalistas, fica a sugestão: conhecer e aprender a usar as mídias sociais profissionalmente já faz diferença no currículo. E lembro entre as propostas incluídas no programa da nova diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, que já tomou posse e da qual faço parte, está a criação de um núcleo de webjornalismo para reunir os colegas que atuam na área e discutir questões referentes a esta atividade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário