“Impulso jornalístico falou mais alto”, diz o criador da reportagem em quadrinhos - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

sábado, 2 de julho de 2011

“Impulso jornalístico falou mais alto”, diz o criador da reportagem em quadrinhos

A Folha de S.Paulo publica hoje uma entrevista com o jornalista e quadrinista Joe Sacco, um dos convidados da Flip 2011 e que é considerado o criador do genêro reportagem em quadrinhos, uma forma diferente de retratar um determinado acontecimento (veja referências). Sacco é autor de Notas sobre Gaza e Palestina e na entrevista conta como partiu para a produção de HQs, após um período de um desânimo com o jornalismo.

Folha de S.Paulo - Você cresceu lendo quadrinhos e se graduou em jornalismo. Quando essas duas coisas se fundiram?

Joe Sacco - Isso aconteceu quando eu fui para o Oriente Médio pela primeira vez, no início dos anos 90. Naquela época, como eu não encontrava um trabalho legal como repórter, resolvi ser cartunista. Vivia em Berlim, desenhando HQs, pôsters de rock e capas dos discos de bandas como Yo La Tengo, Soundgarden e Mudhoney. Mas eu queria saber o que estava acontecendo no mundo. Resolvi viajar para o Oriente Médio e escrever uma história em quadrinhos sobre minhas experiências lá. Só que um impulso jornalístico falou mais alto! Ao chegar lá, criei rotinas metódicas de entrevistas e anotações. Afinal, eu havia sido treinado para aquilo na universidade: coletar e reunir pedaços de informações que formem um todo. Voltei para casa e comecei a desenhar gibis que tinham um espírito jornalístico forte. Foi um processo orgânico. Juntei dois amores: os quadrinhos, que eram meu modo de vida na época, e o jornalismo, que foi algo sempre muito importante para mim.



Leia a entrevista completa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário