Trailer de “A Antropóloga” surpreende platéia - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

domingo, 17 de abril de 2011

Trailer de “A Antropóloga” surpreende platéia

Fui ao cinema ontem assistir Vips - O Filme, baseado na história real de um jovem com problemas de personalidade e que chegou a se passar por um dos herdeiros da empresa aérea Gol, sendo até entrevistado e bajulado pelo Amaury Júnior como tal. Grande atuação de Wagner Moura, equilibrando a loucura, a cara de pau e até o humor do personagem (a cena do cover de Renato Russo é uma das melhores do filme).

Mas o que chamou mais minha atenção ontem, na sala 1 do Iguatemi, nem foi tanto Vips - O filme. Foi sim a reação da plateia (umas 50 pessoas) durante e depois da exibição do trailer de A Antropóloga, filme do catarinense Zeca Nunes Pires, que estreia dia 29 deste mês, e que foi todo o rodado aqui em Florianópolis, mais precisamente na Costa da Lagoa. O trailer “vendeu” bem o filme. Muito bom ver elementos da história e da cultura da cidade da gente na tela (boi de mamão no cinema!!!). Não é exagero dizer o que está dito no título deste post: o trailer surpreendeu a plateia. Ouvi uns “óóóó” e frases do tipo “o diretor é daqui” quando surgiram os nomes do filme e de Zeca Nunes Pires na tela. Bom começo. Resta esperar que a primeira impressão positiva da plateia de Vips - O filme se reverta em bilheteria e garanta uma longa permanência de A Antropóloga pelo menos nas salas de cinema daqui de Florianópolis.

Leia a sinopse de A Antropóloga:

Aos 33 anos, Maria de Lourdes Gomes Azevedo Ramos (Malu) realiza na Costa da Lagoa – reduto açoriano na Ilha de Santa Catarina - sua pesquisa de doutorado na área de etnobotânica. Sua vinda a Costa da Lagoa não será meramente um marco em sua carreira acadêmica mais uma série de desafios emocionais que coloca a protagonista no limite entre a razão e a imaginação, ciência e misticismo, crença e ceticismo, amor e paixão.

Com dona Ritinha, benzedeira mais conhecida na comunidade, Malu inicia o aprendizado da cultura mística que os descendentes de açorianos preservam no local. Ao acompanhar o tratamento realizado com as ervas da mata Atlântica à Carolina - filha do médico local - ministrado por dona Ritinha, Malu entra em contato com o sobrenatural e envolve-se na cura da menina.

Contrariada pelo pai da menina, Malu enfrenta o ceticismo científico, antes propagado por ela própria. As evidências são muitas e Malu se vê levada a montar o painel de coincidências, situações sobrenaturais, intuições, constatações místicas e induções dos moradores da comunidade. Após período de auto-enfrentamento, Malu decide singrar a verdadeira viagem rumo ao desconhecido – o lugar de onde Malu jamais voltará.


Assista ao trailer.



Mais sobre A Antropóloga no site www.aantropologa.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário