Uns pitacos sobre jornalismo online - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Uns pitacos sobre jornalismo online

Estive ontem, dia 16, no curso de Jornalismo da Estácio de Sá, em São José, para falar um pouco meu trabalho com internet e me perguntaram se o jornalismo online vai acabar com outras mídias. Minha resposta: muito pelo contrário. Com internet, conteúdo de outras mídias se espalha com muito mais rapidez e facilidade. E também ajuda TV, rádio e impressos a oferecer produtos diferenciados para o público e para o anunciante (multimídia, infográfico, vídeos, podcast...).

Comentei isso agora há pouco no Twitter e, ao ser questionado sobre qual tinha sido minha resposta e qual seria uma possível solução para a questão comercial dos jornais online, troquei alguns tweets sobre o assunto com o colega Paulo Arenhart (@PauloArenhart), colunista do Notícias do Dia. Reproduzo abaixo o que tuitei.

- Jornalismo online caminha pra hiper-segmentação. Pede cada vez mais gestão/organização de conteúdo. Disso, produtos extras.

- E dos produtos extras, surgem novas oportunidades pra comercialização, fugindo da “bannerlização”.

- Se vender banner gigante e inconveniente dá dinheiro, ok, mas qual retorno real para o cliente? Para o site, grana e má fama.

- E não sou contra banner. Sou a favor de produtos segmentados, customizados, diferentes, criativos.

No embalo dos meus pitacos, quero saber quais são os seus. Qual sua opinião sobre jornalismo online e como a internet pode ajudar outras mídias? Ou pode matar?

Um comentário:

  1. Oi tudo bem? É a primeira vez que venho no seu blog e bom, ja entrou pros meus favoritos...
    Sobre sua pergunta, ela é bem complexa, mas concordo com você quando diz que não vai acabar com as outras mídias, mas vai mudar...Como já aconteceu, as mídias vão se adaptando para não "morrer". Lembra do primeiro jornal online? Ele era uma copia do impresso, disponível na internet. Olha como evoluiram em pouquissimos anos.
    Um objeto que tenho estudado é o Twitter.
    Estou fazendo/tentando fazer minha monografia sobre o twitter como fonte / pauta para jornalistas e eu realmente acredito que ele é muito útil e favorável para o jornalismo.
    Como li em outro post seu, nem tudo é notícia, cabe ao profissional saber filtrar isso...(bom acho que a função do gatekeeper já não existe mais com a internet).
    Mas acho que o grande lance do Twitter para o jornalista é a agregação de informação em um lugar. Quantos jornais você precisa ler para se pautar? Se você quer falar de assuntos cotidianos, vc busca um jornal, se você quer saber sobre esportes, outro jornal, economia? outro...Se vc quer falar de tecnologia...bom ai vc se ferra pq ou vc vai na seção de tecnologia dos jornais ou entao vc tem uma infinidaaaaaaaaaaade de blogs maravilhosos que falam do assunto.
    Agora pensa no Twitter e em como ele funciona, vc segue os perfis das empresas, dos veiculos, das pessoas que te interessam e que podem gerar pauta...e pela sua timelime vc recebe pequenas mensagens (e muita gente se engana falando q se limita a 140 caracteres, pois temos varios encurtadores de links)...
    O jornalista, e o leitor, economiza muito mais tempo. Se um daqueles tweetes interessa, ele abre o link, ou procura sobre aquele assunto em outro lugar...sem precisar abrir milhoes de sites, digitar milhoes de urls. Tudo em um só lugar. É melhor do que o rss.....

    Bom....tem muita coisa boa pra falar de twitter ainda...e pra descobrir....

    Abçs
    Renata
    (mcostarenata@gmail.com)

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário