A legítima crônica esportiva - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

segunda-feira, 19 de abril de 2010

A legítima crônica esportiva

A crônica do escritor Sérgio da Costa Ramos na edição de hoje do Diário Catarinense é especial para os torcedores do Avaí que acordaram classificados para a final do Catarinense 2010, após o empate de ontem (1 a 1, com sabor de vitória...), na Ressacada, diante do maior rival, o Figueirense. Com a categoria de sempre, Sérgio conta em detalhes como o nosso Avaí conquistou o título do returno numa legítima crônica esportiva em tons azul e branco, é verdade, mas sem desmerecer o time adversário. Leia abaixo um trecho da crônica.
Vitória em quatro letras
por Sérgio da Costa Ramos

Vitória, agora, se escreve assim: Avaí. O returno é do azul e branco; o campeonato, ainda não. Mas a justiça começa a reconhecer o mérito da equipe que melhor jogou futebol em dois meses de disputa.

O 1 a 1 foi justo e equilibrado, há mais de ano um não consegue vencer o outro. Muito desfalcado – sem seus principais atacantes, Sávio, Vandinho e Leonardo –, o Avaí dominou o primeiro tempo – e perdeu. Com cinco minutos, jogou fora duas chances claríssimas, com Davi e Caio. Aí, o Figueirense entrou em campo e nos apresentou um velho conhecido: Fernandes. O craque alvinegro, há três meses fora dos gramados, vestiu a camisa do “Sobrenatural de Almeida” e dividiu, no chão, um cruzamento com dois indecisos zagueiros: gol do Figueira.

Como todas as “coisas” do Avaí, vitórias e títulos só chegam com muito sofrimento. E, ontem, por mérito de uma melhor campanha, o empate serviria como vitória. Daqui a dois mil anos, este Avaí x Figueira ressurgirá na memória inconsciente da cidade e os alvicelestes ainda lembrarão:

– E aquele clássico da Ressacada, hein? Quem não viu, não viveu! Abrimos o caminho para o bi!

Davi – de boa atuação na partida – empatou, de pênalti. Aí, foi administrar o tempo e suportar a paciência de defender o empate como vitória.
(...)

Leia a crônica completa.
Siga as atualizações do Coluna Extra pelo Twitter: http://twitter.com/colunaextra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário