Sobe BG para “Rock Estrela” - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

quarta-feira, 24 de março de 2010

Sobe BG para “Rock Estrela”

Em meados dos anos 80, a música entrou para valer na minha vida com a explosão do rock nacional. Ganhei e comprei meus primeiros LPs e meus primeiros exemplares da Bizz. A TV contribuía com programas “jovens” como Armação Ilimitada, Clip Clip, Geração 80, Misto Quente (todos da Globo), Som Pop (TV Cultura/TVE), Perdidos na Noite, Super Special (ambos da Band), entre outros. No aparelho de som, rádio ligado na Atlântida ou na Antena 1, sempre com uma fita-cassete Basf ou TDK no tape-deck com rec-play engatilhado. Foi também nessa época e por causa desse clima pró-rock que quebrei a sequência de idas ao cinema para assistir filmes de Os Trapalhões. Já não tinha mais graça aquele roteiro palhaçadas-aventura-Didi-gosta-da-mocinha-mas-fica-sozinho-mas-rico-no-final. Filme precisava de música, aquela que eu ouvia. Não assisti no cinema nem Menino do Rio nem Garota Dourada nem Bete Balanço, os principais filmes "jovens" da época. Mas quando anunciaram Rock Estrela, filme de 1986, com Diogo Vilela, Malu Mader, Léo Jaime e Andréia Beltrão, fiquei ligado. E no dia da estreia no Cine Ritz, estava lá para conferir aquela história do músico clássico que volta para o Brasil para morar com primo roqueiro e se envolve com moça mimada e com jogadora de vôlei.

Da trilha, a grande expectativa era para “Rock Estrela”, música composta especialmente por Léo Jaime para o filme. Seria o primeiro lançamento do cantor e compositor depois do imbatível Sessão da Tarde, disco de onde saíram sucessos como “O Pobre”, “A vida não presta”, “Só”, “A fórmula do amor”, “Amor colegial”, “As 7 vampiras” e “Solange”. No saldo final, outro sucesso e uma das letras mais inspiradas de Léo Jaime. Assista ao trecho do filme onde ele canta a música.



Outro destaque da trilha de Rock Estrela, que tinha também Tokyo e RPM, era a banda Metrô, que canta “Johnny Love”, com Léo Jaime. O Metrô era a versão paulista (e da CBS Columbia, a “dona” da trilha) do Kid Abelha (da WEA/Warner), com a diferença que a vocalista Virginie já estava um nível acima da Paula Toller, hoje uma das melhores vozes da MPB. Assista Metrô e Léo Jaime cantando “Johnny Love”.



Mais Sobe BG (saiba do que se trata).

Siga as atualizações do Coluna Extra pelo Twitter: http://twitter.com/colunaextra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário