O uso da internet nas eleições (ainda em pauta) - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

quarta-feira, 2 de julho de 2008

O uso da internet nas eleições (ainda em pauta)

A Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados promoveu uma audiência pública nesta terça-feira para discutir o uso da internet nas eleições municipais de outubro. E além da informação de que os deputados vão pedir ao Tribunal Superior Eleitoral a liberação da internet nas eleições, a notícia publicada pela Agência Câmara traz opiniões interessantes sobre o assunto e que reproduzo abaixo.

Interação com o candidato
O deputado Jorge Bittar (PT-RJ) classificou a resolução do TSE de “mordaça” e destacou que, pela internet, o eleitor tem condições de interagir com o candidato - o que não ocorre no rádio e na televisão. Bittar também defendeu as doações pela internet, a exemplo da campanha do candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama. “Pequenas doações de campanha, de R$ 50, R$ 100 ou R$ 200, seriam democráticas e permitiriam que candidatos que não são abastados, que não são amigos de ricos, pudessem também competir no processo eleitoral. Considero que o TSE está absolutamente equivocado em sua resolução”, ressaltou.


Novas ferramentas
Para o pesquisador do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília Francisco Brandão, as restrições à propaganda eleitoral na internet vão prejudicar o desenvolvimento de novas ferramentas de campanha. Ele observou que o uso da tecnologia ainda está em fase inicial, embora cresça em ritmo acelerado. Em 2006, apenas 14,5% dos candidatos tinham sites eleitorais - em 2002, eram 3,2%. Segundo Brandão, as restrições também podem desestimular os eleitores ligados na rede, que na maioria têm menos de 35 anos. O pesquisador lembrou que a participação de jovens na política tem diminuído nos últimos anos. “O TSE está abortando uma nova geração que poderia voltar a se interessar por política”, apontou. Ele lembrou que a Justiça Eleitoral fez uma campanha no ano passado justamente para estimular jovens de 16 e 17 anos a registrar o título eleitoral.

Um comentário:

  1. Na minha opinião deveria ser proibido apenas spam...
    Claro! Tô falando sob a perspectiva de alguém que pode faturar uns cascalhos com isso tudo...
    Qual a sua opinião?

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário