A polícia apresenta suas “armas” - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

sábado, 8 de dezembro de 2007

A polícia apresenta suas “armas”

Não sei exatamente qual a reação dos leitores do Coluna Extra quando escrevo e mostro versões em português para sucessos e clássicos internacionais. Acredito que a maioria ache graça com um pingo de indignação, quem sabe, dependendo do “crime” cometido. Neste post volto ao assunto por um bom motivo: o show do The Police, hoje à noite no Maracanã. Foi por causa de uma versão que eu descobri os clássicos da banda. “Descobri” não é bem a palavra até porque as músicas tocavam em rádio e os clipes eram exibidos nos poucos programas especializados da época - início e meio dos anso 80. Caiu a ficha, digamos assim. De alguma forma o som já era familiar e eu só não sabia do que se tratava. E com “Solange”, versão para “So Lonely”, gravada por Léo Jaime (parceria dele e Leoni, na época no Kid Abelha) no disco Sessão da Tarde, de 1985, o Police entrou para o meu playlist. Ainda hoje gosto muito da versão. Era uma das músicas do repertório nos meus tempos de banda de garagem. E a partir de “Solange”, “So lonely” virou minha música preferida do Police. Ouça a versão (clique no nome da música para ouvir).



A versão é uma “homenagem” de Léo para dona Solange Hernandes, funcionária da Censura, conhecida como Solange Tesourinha porque mandava corta tudo. Aproveitando a sonoridade entre “so lonely” e “Solange”, Léo criou o refrão perfeito para tirar sarro da “presença” da censora em sua vida e o impedia de escrever, pensar, cantar, etc.. No fim das contas, em comparação com a letral original de Sting, a versão de Léo e Leoni até que não foge tanto do tema. Com sua ironia e sarcasmo, de alguma forma “Solange” não deixa de ser uma música sobre solidão.

O mais curioso é que no encarte do disco de Léo Jaime, o sexto disco que comprei, não há qualquer informação de que “Solange” é uma versão. Os créditos aparecem assim: “Solange” (Sting / Léo Jaime / Leoni). No selo do disco, aparece “Solange” (“So Lonely”) e com os mesmos créditos do encarte. Outra curisiodade, diretamente relacionada com o show de hoje no Maracanã, é que na gravação de “Solange”, Léo Jaime é acompanhado pelos Paralamas do Sucesso, ainda em início de carreira e que eram taxados como mera cópia do The Police. A “cópia” é quem abre o show de hoje (o que Sting diria se Léo Jaime subisse ao palco no show dos Palaramas para uma canja e cantasse a versão? :).

“So lonely”, música do primeiro disco da banda (Outlandos d'Amour), está no setlist da turnê. Para quem não conhece ou não lembra, uma preciosidade, cortesia do YouTube: o clipe original da música, gravado no Japão.



Tags:

Um comentário:

  1. Leo Jaime1:35 AM

    Alexandre, o engraçado é que no mesmo ano eu dei uma cópia do disco para o Sting, em Paris, e contei a história da letra. Anos depois reencontrei a amiga que nos apresentou que contou que ele tinha gostado muito da nossa execução.
    Bacana, né?
    Gostei do seu blog. Valeu.
    abs

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário