Foi só pra contrariar? - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Foi só pra contrariar?

Li no blog Batucada, do Diário Online, um post sobre as regravações em “ritmo de pagode” – uma estratégia muito usada por novos e velhos grupos e que costuma dar resultado. Deixei um comentário lá lembrando que no pagode também havia casos de grupos que gravaram versões em português para sucessos internacionais. E citei dois exemplos de “versões pagodeiras”, ambas gravadas pelo Só Pra Contrariar.

A primeira é “A minha fantasia”, versão de Alexandre e Fernando Pires para “It ain´t over til it´s over”, aquela, maior sucesso da carreira de Lenny Kravitz. Ironicamente, a versão abre o disco Produto Nacional, de 2003. A outra é “Ela é jogo duro”, versão, também dos irmãos Pires, para “Crazy in Love”, um dos primeiros sucessos da cantora Beyonce. Essa versão abre o disco Produto Nacional II, de 2004, repetindo a jogada do disco anterior (detalhe: nesse disco, o SPC regravou em “ritmo de pagode” a versão “Astronauta de Mármore”, feita pelo Nenhum de Nós para “Starman”, de David Bowie).

Duvido muito que as versões estejam entre as favoritas do repertório do SPC (ficou devendo...:))). Mas servem para engrossar o repertório de versões infames. Ouça e divirta-se (clique no nome da música para ouvir).



Tags:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário