Conhecimento em rede - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Conhecimento em rede

A Editora Campus/Elsevier acaba de lançar “O Conhecimento em Rede”, considerado o primeiro livro no Brasil a discutir Web 2.0 e inteligência coletiva. De autoria dos professores e consultores da Coppe/UFRJ, Marcos Cavalcanti e Carlos Nepomuceno, o livro propõe a criação de comunidades em rede como forma de gerar maior competitividade e mostra como implantar projetos deste tipo. Para isso, eles partem da idéia de que a internet não é um meio de comunicação, não é apenas uma nova mídia, mas sim, uma maneira de interação em escala global. “Porém, é preciso que as comunidades se estabeleçam de forma organizada e com regras para que a rede seja um instrumento de integração eficiente e produtiva”, afirmam.

Abaixo, reproduzo trechos de uma entrevista com os autores de “O Conhecimento em Rede”, cedida pela Editora Campus/Elsevier.

Qual é a principal vantagem do conhecimento em rede?
Nepomuceno - Hoje, empresas, países e pessoas podem se beneficiar muito se souberem utilizá-lo de forma estruturada. Os países, por exemplo, devem ter o conhecimento em rede dentro de seus planejamentos estratégicos.
Cavalcanti - Não basta vontade, tem que ter um método para utilizar a internet a seu favor e de forma organizada. Caso contrário, seu uso será limitado.

O conhecimento em rede é um “movimento” novo, uma tendência?
Nepomuceno - O conhecimento em rede existe há algum tempo só que agora está mais intenso. Vivemos a segunda etapa da evolução do uso da internet em decorrência do acesso à banda larga, que elevou o tempo on-line de cada usuário e enriqueceu as possibilidades e usos das ferramentas que já existiam. Ficou mais nítida e forte a sua presença. É a era do compartilhamento de idéias e do uso massificado de ferramentas como o Orkut, MySpace, YouTube.

Como o Brasil está neste novo cenário?
Cavalcanti - Está bem posicionado. O fator cultural é um aliado. Somos um povo com uma enorme capacidade de interação e o fazemos de forma natural, está no nosso sangue. O Orkut é um exemplo: 70% dos integrantes são brasileiros. Nós somos o povo que mais fica tempo na internet. É como um poço de petróleo inexplorado. Temos a capacidade de comunicação e relacionamento que nenhum outro povo tem. Somos bem articulados e isso conta a nosso favor. Os outros terão que vencer suas barreiras culturais, além da organização da rede. Temos a habilidade de trabalhar em rede e de interagir. Reforço, isto é um ponto muito positivo. Basta agora aprimorarmos o uso das comunidades em rede.

Como funcionariam estas relações?
Nepomuceno - Método é a palavra chave. Primeiro deve ser feito um rascunho para identificar como esta metodologia deve ser construída para depois evoluir e implementá-la através do que denominamos “apicultores”. Ou seja, pessoas que serviriam como multiplicadores e organizadores de uma comunidade. Assim, eles compartilhariam pesquisas, dados importantes para aquela comunidade. A comunicação se dá mais rapidamente e é direcionada para um público específico. Imagine o quanto uma empresa pouparia ao reduzir anúncios em jornais e focar nestas comunidades? É fantástico. Atinge certeiramente seu público e consumidor real. É a melhor maneira, hoje, de ter retorno.

Tags: , , ,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário