<i>Luar</i> é o nome dele aos avessos... - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

segunda-feira, 21 de agosto de 2006

Luar é o nome dele aos avessos...

Há 17 anos morria Raul Seixas.
Passados tantos anos de sua grande viagem, Raul Seixas continua mais vivo do que nunca. Desde seu falecimento em 21 de agosto de 1989, o número de pessoas interessadas em sua vida e obra vem aumentando consideravelmente. Pessoas de todas as faixas etárias e classes sociais se organizam nos inúmeros fãs-clubes criados para homenageá-lo. Casas culturais, praças, ruas, parques e viadutos recebem seu nome.

Revistas, pôsteres e cerca de 20 livros enfocando sua vida e obra continuam no mercado. Todos os títulos de sua imensa discografia já foram reeditados em CD, e novos títulos são lançados constantemente. Programas de rádio e TV, romarias ao Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador, passeatas, carreatas e inúmeros eventos acontecem anualmente em todo o Brasil nas datas de nascimento e morte, 28 de junho e 21 de agosto, respectivamente.

É por esses e por inúmeros outros motivos que decididamente Raul Seixas está e continuará vivo.


(Trecho extraído da biografia escrita por Sylvio Passos no site oficial de Raul Seixas. Sylvio é presidente do Raul Rock Club, até hoje o principal fã-clube de Raul Seixas.)
P.S.: O título deste post é uma referência ao verso “Luar é meu nome aos avessos” da música “Lua Cheia”, uma das minhas preferidas na longa lista de grandes músicas gravadas por Raul.

Tags: ,

Um comentário:

  1. Cara, com toda sinceridade, esses anúncios automáticos em forma de links no meio dos teus textos são horríveis. Truncam a leitura e as ricas possibilidades do hipertexto autoral. Também não gosto de pop-ups automáticos - meu Firefox tá me dizendo aqui que fechou três janelas no seu blog. O +D1 também tem um desses, detestável, que abre em tela inteira - e o pior é que o anti-popup não consegue bloqueá-lo, o que o torna ainda mais invasivo. Nada contra a publicidade, mas quando ela interefere de tal maneira com o conteúdo que supostamente deveria ser o mais importante, alguma coisa tá errada. Fique à vontade pra discordar se quiser, claro. É só uma opinião de leitor. Abraço!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário