O neto do Nicolau - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

O neto do Nicolau

- Mãe, por que a gente sempre janta cedo na véspera de Natal?
- Você sabe, filho. É por causa do seu avô Nicolau. Ele não pode ficar acordado até tarde. Precisa sair cedo.
Quando criança, ele fez essa pergunta muitas vezes. E não entendia: na casa dos seus amigos, a ceia de Natal só começava a ser servida por volta da meia-noite; na dele, lá pelas 19h. O que ele queria mesmo era ficar acordado até tarde e esperar Papai Noel chegar com seus presentes. Mas se era por causa do seu avô materno, tudo bem. Jantava cedo, dormia cedo.
Quando cresceu, parou de perguntar. Ficou acostumado. Filho único e único neto do vô Nicolau, ele só se importava em estar com sua esposa e filho e com seus pais e avós.
Há dois anos, na véspera do Natal, o vô Nicolau, 82 anos, também precisou ir mais cedo para casa. Mas antes chamou seu neto num canto.
- O que foi, vô?
- Eu tenho um presente pra você.
- Não precisava.
O neto abriu o pacote vermelho e dentro, uma toca de Papai Noel.
- Uma toca?
- Sim, a toca que eu uso todos os anos depois que eu saio aqui e que agora é sua.
O vô abraçou o neto. Ficou emocionado. O neto, meio que sem reação, estranhou a atitude. Não pelo afeto do vô, mas pela demora no abraço.
No dia seguinte, tocou o celular logo cedo.
- Filho, vem pra cá correndo. Teu avô Nicolau foi pro hospital. Passou mal durante a noite, a pressão subiu.
No hospital, o médico informou que o quadro era grave. A mãe caiu em prantos. O neto, abatido, temeu pelo pior até pela idade do avô.
- Eu posso vê-lo?

Foi a última vez que ele viu o avô. Antes de sair do hospital, ele recebeu um envelope de uma enfermeira.
- Estava no bolso da calça do seu avô.
Dentro do envelope, um bilhete:



No ano passado, quando escrevi sobre o Natal, preferi o humor. Neste ano, escolhi outro caminho. Certamente por saudade do vô Antônio e do vô Manoel, que foram “embora” mais cedo do que eu gostaria. E com certeza por acreditar que a perda não é necessariamente o fim. Pode significar um novo começo a partir da saudade, das boas lembranças, cheio de saúde, felicidade e esperança - até rimou. Feliz Natal a todos.

2 comentários:

  1. Anônimo8:29 AM

    Parabéns pelo texto!
    Ficou muito bom.

    abs.

    Alexandre

    ResponderExcluir
  2. Carla9:27 PM

    Nunca é tarde para se emocionar!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário