Crianças no shopping - Coluna Extra

Primeiro Digital - o blog do jornalista Alexandre Gonçalves

Destaques do site Farol Reportagem

Destaques do Laranjas - A verdade até as primeiras consequências

domingo, 23 de outubro de 2005

Crianças no shopping

Meu filho Vitor e mais quatro colegas, todos com idade entre 10 e 11 anos, foram dar uma “banda” no Beiramar Shopping, ontem à tarde. E hoje, quando fui buscá-lo numa festa para levá-lo para casa, ele me contou três situações que aconteceram com ele e os amigos e que servem de exemplo de como as crianças (pré-adolescentes, que é pra ele não se estressar comigo...) são atendidas (bem ou mal) em lojas e eventos. Com a palavra, Vitor, meu filho, de 11 anos:
“A gente entrou na Blau-Blau e ficou vendo as bolas de futebol. Aí veio um cara da loja e falou pra gente que o McDonald´s tava dando casquinha de graça. A gente não deu bola porque sabia que não era verdade. Um amigo meu até disse pra ele ir lá pegar uma casquinha. Passou um tempo e ele veio falando ‘vamos saindo, vamos saindo’. A gente não tava fazendo nada de errado. Outro amigo ainda disse pra ele que depois de hoje eles tinham perdido um futuro cliente.
Aí, a gente saiu e entrou numa outra loja, a Moana. Pô, o atendimento foi o bicho. A gente mal entrou e o cara já veio falando com a gente: ‘E aí, galerinha, e aí, galerinha, muita vibe ou pouca vibe?’. Muito legal. E depois a gente foi no lance de imóveis
(uma feira). E aí uma moça deixou a gente brincar de golfe, ensinou a gente a jogar e um outro cara ficou dando dicas de como jogar.”
Se bem conheço meu filho, ele nunca mais vai querer entrar na loja do gênio da casquinha grátis nem em dia de liquidação total. Aliás, grátis mesmo foi a lição de atendimento que ele levou de uma criança de 11 anos. Já a loja da “galerinha”, com certeza subiu no conceito dele e será lembrada por um bom tempo. Pelo meu filho, comprar nessa loja será prestigiar um atendimento amigável e respeitoso com um grupo de crianças (o vendedor enxergou e soube lidar com isso). No caso do golfe, vou levar na esportiva :))). Golfe pode ser um esporte legal, mas o empreendimento que promoveu as “tacadas grátis” na feira de imóveis (Costão Golfe) é discutível (são muitos prós e contras para serem avaliados). Já explique isso pro meu filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário